Mudanças

Naquela terça-feira após uma conversa com seu pai decidiu que sairia de casa. Já havia um tempo que ensaiava tal atitude, muito antes da morte da mãe, mas devido ao episódio decidira que esperaria um tempo.
Foi difícil aceitar que seus pais não eram nada mais que um homem e uma mulher. Que não tinham todas as respostas. Tinham desejos e fantasias. Falhavam. E que, pior, faziam sexo! E que provavelmente não fariam parte do seu círculo de convivência se não fossem seus pais.
Desde muito cedo também deixou de acreditar em Deus. O “Papai do céu”, como dizia seus pais, não parecia tão bonzinho assim quando ele olhava para seus amiguinhos que eram levados para a escola em carrões pelos seus pais sempre bonitos e elegantes e ele tinha que ir caminhando para a escola junto com seu pai que parava na esquina do quarteirão da sua casa para esperar o ônibus para o trabalho e ele seguia caminhando sozinho até a escola. Ou ainda quando já estava no ensino médio e a garota mais linda do 2ºB mal olhava para ele, mas ficava com os meninos do 3º ano. Concluiu então que o mundo era injusto e que Deus não existia.
Abandonou também a política. A decepção e a frustração foram maiores que os anos de militância e ideologia que só lhe renderam um término de namoro, dependência em calmantes e uns dois amigos que não sabia se poderia confiar.
Na quarta-feira saiu do trabalho um pouco mais cedo para procurar um lugar para morar. Após visitar 3 ou 4 imobiliárias encontrou um apartamento pequeno com preço razoável e com boa localização. Assinou o contrato de locação e procurou alguém que fizesse o frete no sábado de manhã para carregar suas poucas coisas.
Terminou de fazer a mudança no sábado à tarde. Subir 3 andares pelas escadas carregando geladeira e guarda-roupa não foi fácil. Além do preço combinado pagou algumas cervejas para o pessoal que o ajudou com a mudança. De uma maneira estranha sentia uma simpatia pouco usual pelos anônimos.
Com pouca mobília terminou a arrumação no sábado à noite. Tomou um banho, pediu uma pizza, jantou, sentou em frente à televisão e chorou. Chorou até pegar no sono.

Anúncios
Esse post foi publicado em Contos e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s